26 de abr de 2017

A História de W.W. da Matta e Silva


Há muitas divergências a respeito da data de nascimento de Matta e Silva (Woodrow Wilson da Matta e Silva). Segundo o prefácio da Livraria Freitas Bastos em sua 3ª edição de “Segredos da Magia de Umbanda e Quimbanda” e 6ª edição de “Lições de Umbanda e Quimbanda na Palavra de um Preto Velho”, a data de seu nascimento é 28 de julho de 1916. Já no livro “Umbanda Brasileira – Um século de História” de Diamantino Fernandes Trindade, consta a data de 28 de julho de 1917 e nas obras do autor Francisco Rivas Neto consta 28 de junho de 1917.

24 de abr de 2017

Leal de Souza; O Primeiro Autor Umbandista - Baixe os Livros Grátis


Antônio Eliezer Leal de Souza foi um poeta parnasiano, escritor, jornalista e um dos mais antigos umbandistas do Brasil.

Leal de Souza, era escritor consagrado, se tornou conhecido com títulos publicados no início do século passado: Bosque sagrado, 1917; A mulher na poesia brasileira, 1918; A romaria da saudade, 1919, e Canções revolucionárias, 1923.

22 de abr de 2017

São Jorge, um dos santos mais populares do Rio, tem imagens espalhadas pela cidade


Em noites de lua cheia, há quem acredite ser possível ver São Jorge refletido no astro. Mas os cariocas não precisam ir tão longe para se deparar com a imagem do santo guerreiro. De igrejas católicas a terreiros, de oratórios erguidos no meio da rua ao cantinho de um botequim na Lapa. Símbolo maior do sincretismo religioso — São Jorge para os católicos, Ogum para os umbandistas —, o guerreiro é cultuado em cada esquina da cidade.

20 de abr de 2017

Amor de Mãe - Por: Regina Hennies


Transcende a normalidade, o amor de mãe!  Deve ser por isso que Deus divide com ela os cuidados de Seus filhos. A ligação de uma Mãe com cada um de seus rebentos – nascidos de sua barriga ou não – é tão forte e poderosa que faz surgir no coração materno a Força, a Luz e a Proteção de uma só vez e uma frágil mulher se transforma na mais forte heroína. Ela vence o próprio tempo e o espaço e, mesmo fora da dimensão terrestre (se essa mulher já ultrapassou as barreiras da morte), está sempre ao lado de seus filhos quando há necessidade de sua presença.

19 de abr de 2017

Caciques Aimoré e Tupinambá


Após a chegada dos portugueses ao Brasil, outras etnias quiseram disputar espaço, como os franceses e os espanhóis. E isso gerou muitas revoltas no litoral de toda a extensão do território brasileiro. Houveram muitas guerras, como a de Paraguaçu, no Recôncavo Baiano; o extermínio dos Potiguaras, no Rio Grande do Norte; entre outras que nem são relatadas pela história, pois foram esquecidas. Mas, aqui quero falar da bravura de dois caciques: Tupinambá e Aimoré; e relatar a sua visão da história.

A Face Feminina da Criação - Por Sid Soares


Geralmente os homens se referem a Deus como do sexo masculino, e muitas vezes dizem que essa ou aquela divindade é a representação feminina de um Ser Supremo sem perceber que na verdade o nosso deus pode ser uma representação masculina de uma Deusa. Tenha o Ser Supremo esse ou aquele sexo, não esqueçamos que a força feminina sagrada sempre esteve entre nós, e é essa mesma força que nos empurra em direção a vida na carne pelo ventre da mãe.

Umbanda; Religião de Caridade e Resistência - Por: Pirro D’Obá












A Umbanda é uma religião conhecida essencialmente por praticar a Caridade e por ser uma religiosidade de Resistência Social. Ao menos, assim aprendi com aqueles que foram meus mestres dentro do terreiro, mestres doutrinários e em leituras na faculdade.

Ela é de Caridade pois traz como bases existenciais os ensinamentos que Jesus deixou em vida como: postura de humildade, fazer o bem sem olhar a quem, buscar dar de graça o que temos sobrando, repartir o que temos contado, não alimentar vícios, não guardar rancores, amar ao próximo como a nós mesmos. E é uma religião de Resistência por trazer ao seu culto os arquétipos de figuras que historicamente foram ou são discriminadas pelo senso comum da sociedade como os Pretos Velhos, os Índios, os Exus, Baianos, etc.

Há quem tente inverter esse aspecto natural de nossa religião, e queira tirar da Umbanda essas suas características que a marcam profundamente em sua identidade. Tentam fazer uma substituição terminológica invertendo a Caridade pela Solidariedade e Resistência por Resignação.

Eu diria que essas intenções em substituir as terminologias não batem com a realidade da Umbanda.

Umbanda nas Trincheiras Etno-Históricas - Por: Alanna Souto


A umbanda é uma religião de resistência? Elaboro a pergunta após assistir o VÍDEO dos sacerdotes Rodrigo Queiroz e Alexandre Cumino que buscam refletir nessa live sobre o enunciado da expressão “a umbanda é a manifestação do espírito para a caridade” proferida por Zélio Fernandino de Morais, anunciador da umbanda enquanto religião, por meio do caboclo das 7 encruzilhadas, segundo informa vários testemunhos orais sobre está definição inicial ou de fundação do que se trata umbanda.

Mas a questão que levanto não é para debater propriamente a expressão acima que depois foi corrigida a partir das fontes revisitadas por Alexandre Cumino na sua obra “A história da umbanda- Uma religião brasileira” (2010), para “a umbanda é manifestação do espírito para a prática de caridade”. Aliás, o vídeo em questão dos sacerdotes da umbanda paulista levantam questões interessantes e reflexões bem pertinentes que ajudam, de fato, a pensar sobre a umbanda, de forma mais madura e menos “Alice, país das maravilhas”, onde o pensamento mágico perde-se na navalha dos delírios do fanatismo, sem conseguir sair da toca do coelho. E a grande sacada é a saída da toca ou da caverna.

18 de abr de 2017

Como manter contato com seu Mentor Espiritual

Decidi descrever nesta oportunidade alguns procedimentos que qualquer pessoa pode fazer para entrar em contato com o seu mentor espiritual, mas antes é preciso compreender o que é o nosso mentor, e qual a natureza de sua intervenção em nossa vida.

O mentor espiritual é um espírito protetor que foi designado pela espiritualidade superior para cuidar de nós, guiar nosso caminho, nos orientar e transmitir ideias e sugestões a fim de completarmos, da melhor forma possível, a nossa missão na Terra.

13 de abr de 2017

A Lenda de Xangô


Xangô era rei de Oyó, o mais temido e respeitado de todos os reis. Mesmo assim, um dia seu reino foi atacado por uma grande quantidade de guerreiros que invadiram a cidade violentamente, destruindo tudo e matando soldados e moradores numa tremenda fúria assassina. Xangô reagiu e lutou bravamente durante semanas. 

Um dia, porém, percebeu que a guerra tornara-se um caminho sem volta. Já havia perdido muitos soldados, e a única saída seria entregar sua coroa aos inimigos. Resolveu então procurar por Orunmilá e pedir-lhe um conselho para evitar a derrota quase certa. O adivinho mandou que ele subisse uma pedreira e lá aguardasse, pois receberia do céu a iluminação do que deveria ser feito. 

Xangô subiu e quando estava no ponto mais alto, foi tomado de extrema fúria. Pegando seu oxê, (machado de duas lâminas ), e começou a quebrar as pedras com grande violência. Estas ao serem quebradas, lançavam raios tão fortes que em instantes transformaram-se em enormes línguas de fogo que, espalhando-se pela cidade, mataram uma grande quantidade de guerreiros inimigos. Os que restaram, apavorados, procuraram os soldados de Xangô e renderam-se imediatamente pedindo clemência. Levados até ao rei, os presos elegeram um emissário para servir-lhes de porta voz. 

O homem escolhido foi logo se atirando aos pés de Xangô. Desculpou-se pedindo perdão. Humilhando-se, explicou que lutavam, não por vontade própria, e sim forçados por um monarca, vizinho de Oyó, que tinha um grande ódio de Xangô, e os martirizavam impiedosamente. Xangô, altamente perspicaz, enxergou nos olhos do guerreiro que ele falava a verdade e perdoou a todos, aceitando-os como súditos de seu reino.

Assim tornou-se conhecido como o Orixá justiceiro que perdoa quando defrontado com a verdade, mas que queima com seus raios os mentirosos e delinquentes.

Semana Santa; Morte e Ressurreição de Jesus


Para o Cristianismo, a  Semana Santa é a ocasião em que é celebrada a Paixão de Cristo, sua morte e ressurreição. Pelo que se tem conhecimento, a primeira celebração cristã da Semana Santa ocorreu no ano de 1682.

Foi por meio do Concílio de Niceia em 325d.c., advinda do Papa Silvestre I, onde os ensinamentos da doutrina católica tornam-na como religião oficial do Império Romano. 

O Concílio de Niceia determinava que a Semana Santa fosse constituída de oito dias.

Seu início se deu no Domingo de Ramos, através da entrada do Rei, do Messias, na cidade de Jerusalém, para comemorar a Páscoa Judaica. Na segunda-feira seguinte foi o dia em que Maria ungiu Cristo. Na terça-feira, foi o dia em que a figueira foi amaldiçoada. A quarta-feira é conhecida como o dia das trevas. A quinta-feira foi o dia da última ceia com seus apóstolos, mais conhecida como Sêder de Pessach. A sexta-feira foi o dia do seu sofrimento, sua crucificação. Sábado é conhecido como o dia da oração e do jejum, onde os cristãos choram pela morte de Jesus. E, finalmente, o Domingo de Páscoa, o dia em que ressuscitou e encheu a humanidade de esperança e  de vida eterna.


12 de abr de 2017

São Cipriano; História, Orações e Rituais


A lenda de São Cipriano - O Feiticeiro - confunde-se com um outro célebre Cipriano imortalizado na Igreja Católica, conhecido como Papa Africano. Apesar do abismo histórico que os afasta, as lendas combinam-se e os Ciprianos, muitas vezes, tornam-se um só na cultura popular. É comum encontrarmos fatos e características pessoais atribuídas equivocadamente. Além dos mesmos nomes, os mártires coexistiram, mas em regiões distintas.

11 de abr de 2017

3 ótimas Orações aos Marinheiros de Umbanda

Os Marinheiros de Umbanda são espíritos que trabalham no auxílio a encarnados e desencarnados a partir do seu magnetismo aquático e de seus conhecimentos sobre a manipulação do Mistério das Águas.

10 de abr de 2017

A Umbanda não se adapta ao umbandista; é o umbandista que se reforma com Ela


Numa sociedade como a nossa, que visa o dinheiro e os bens materiais como prioridades na vida social, temos de admitir que a religião também passa por um processo de materialização. Ou seja, as pessoas têm chegado a religião de um modo geral a enxergando como uma mercadoria. Uma mercadoria como qualquer outra, que possa trazer um custo benefício, que sacie um desejo, que traga um prazer, e por fim seja descartadado. Assim é o mundo das mercadorias, sejam elas vindas em produtos manufaturados ou serviços prestados.

Muita gente acha que a Umbanda é um serviço, é algo que pedimos e que vem pronto, que não requer nenhum apelo existencial da parte de quem acha que a pode comprar no balcão de uma loja ou aos pés de uma entidade.

5 de abr de 2017

O Livre Arbítrio - Por: Allan Kardec


A questão do livre-arbítrio pode resumir-se assim: O homem não é fatalmente conduzido ao mal; os atos que pratica não “estavam escritos”; os crimes que comete não são o resultado de um decreto do destino. Ele pode, como prova e como expiação, escolher uma existência em que se sentirá arrastado para o crime, seja pelo meio em que estiver situado, seja pelas circunstâncias supervenientes.

3 de abr de 2017

A História do Caboclo Mirim


Em 1920 no Rio de Janeiro, o médium Benjamin Gonçalves Figueiredo (26/12/1902 - 03/12/1986), teve a primeira manifestação de uma Entidade que identificou-se como Caboclo Mirim. Durante os primeiros anos de sua ligação com a Umbanda, Benjamin foi auxiliado no seu desenvolvimento pelo médium Zélio Fernandino de Morais. 

O Caboclo Mirim vinha com a finalidade de criar um novo núcleo de crescimento para a Umbanda e assim, toda a família do médium foi chamada a participar. Eram ao todo 12 pessoas que deram início em 1924 ao que foi chamada a Seara de Mirim. Após 18 anos, em 1942, foi fundada a Tenda Espírita Mirim, à rua Sotero dos Reis, 101, Praça da Bandeira; mudou-se, posteriormente, para a rua São Pedro e depois para a Rua Ceará, hoje Avenida Marechal Rondon nº 597. Ainda sob a orientação dessa entidade, deu-se a fundação do Primado de Umbanda, uma das primeiras federações umbandistas do Brasil, criada para difundir e estimular o estudo da religião de Umbanda e dos seus reais ensinamentos.

O Que é a Psicografia? Entenda...


A psicografia é a técnica utilizada pelos médiuns para que estes escrevam um texto sob a influência de um espírito desencarnado, utilizando para isso sua própria mão, o que deu origem à "psicografia direta" ou "psicografia manual". De todas as formas de comunicação, a escrita manual é a mais simples e a mais completa porque permite estabelecer relações permanentes e regulares com os espíritos.

Quando alguém escreve um texto psicografado a mente consciente busca as ideias no inconsciente, portanto, se está consciente o tempo inteiro.