26 de abr de 2017

A História de W.W. da Matta e Silva


Há muitas divergências a respeito da data de nascimento de Matta e Silva (Woodrow Wilson da Matta e Silva). Segundo o prefácio da Livraria Freitas Bastos em sua 3ª edição de “Segredos da Magia de Umbanda e Quimbanda” e 6ª edição de “Lições de Umbanda e Quimbanda na Palavra de um Preto Velho”, a data de seu nascimento é 28 de julho de 1916. Já no livro “Umbanda Brasileira – Um século de História” de Diamantino Fernandes Trindade, consta a data de 28 de julho de 1917 e nas obras do autor Francisco Rivas Neto consta 28 de junho de 1917.

24 de abr de 2017

Leal de Souza; O Primeiro Autor Umbandista - Baixe os Livros Grátis


Antônio Eliezer Leal de Souza foi um poeta parnasiano, escritor, jornalista e um dos mais antigos umbandistas do Brasil.

Leal de Souza, era escritor consagrado, se tornou conhecido com títulos publicados no início do século passado: Bosque sagrado, 1917; A mulher na poesia brasileira, 1918; A romaria da saudade, 1919, e Canções revolucionárias, 1923.

22 de abr de 2017

São Jorge, um dos santos mais populares do Rio, tem imagens espalhadas pela cidade


Em noites de lua cheia, há quem acredite ser possível ver São Jorge refletido no astro. Mas os cariocas não precisam ir tão longe para se deparar com a imagem do santo guerreiro. De igrejas católicas a terreiros, de oratórios erguidos no meio da rua ao cantinho de um botequim na Lapa. Símbolo maior do sincretismo religioso — São Jorge para os católicos, Ogum para os umbandistas —, o guerreiro é cultuado em cada esquina da cidade.

20 de abr de 2017

Amor de Mãe - Por: Regina Hennies


Transcende a normalidade, o amor de mãe!  Deve ser por isso que Deus divide com ela os cuidados de Seus filhos. A ligação de uma Mãe com cada um de seus rebentos – nascidos de sua barriga ou não – é tão forte e poderosa que faz surgir no coração materno a Força, a Luz e a Proteção de uma só vez e uma frágil mulher se transforma na mais forte heroína. Ela vence o próprio tempo e o espaço e, mesmo fora da dimensão terrestre (se essa mulher já ultrapassou as barreiras da morte), está sempre ao lado de seus filhos quando há necessidade de sua presença.

19 de abr de 2017

Caciques Aimoré e Tupinambá


Após a chegada dos portugueses ao Brasil, outras etnias quiseram disputar espaço, como os franceses e os espanhóis. E isso gerou muitas revoltas no litoral de toda a extensão do território brasileiro. Houveram muitas guerras, como a de Paraguaçu, no Recôncavo Baiano; o extermínio dos Potiguaras, no Rio Grande do Norte; entre outras que nem são relatadas pela história, pois foram esquecidas. Mas, aqui quero falar da bravura de dois caciques: Tupinambá e Aimoré; e relatar a sua visão da história.

A Face Feminina da Criação - Por Sid Soares


Geralmente os homens se referem a Deus como do sexo masculino, e muitas vezes dizem que essa ou aquela divindade é a representação feminina de um Ser Supremo sem perceber que na verdade o nosso deus pode ser uma representação masculina de uma Deusa. Tenha o Ser Supremo esse ou aquele sexo, não esqueçamos que a força feminina sagrada sempre esteve entre nós, e é essa mesma força que nos empurra em direção a vida na carne pelo ventre da mãe.

Umbanda; Religião de Caridade e Resistência - Por: Pirro D’Obá












A Umbanda é uma religião conhecida essencialmente por praticar a Caridade e por ser uma religiosidade de Resistência Social. Ao menos, assim aprendi com aqueles que foram meus mestres dentro do terreiro, mestres doutrinários e em leituras na faculdade.

Ela é de Caridade pois traz como bases existenciais os ensinamentos que Jesus deixou em vida como: postura de humildade, fazer o bem sem olhar a quem, buscar dar de graça o que temos sobrando, repartir o que temos contado, não alimentar vícios, não guardar rancores, amar ao próximo como a nós mesmos. E é uma religião de Resistência por trazer ao seu culto os arquétipos de figuras que historicamente foram ou são discriminadas pelo senso comum da sociedade como os Pretos Velhos, os Índios, os Exus, Baianos, etc.

Há quem tente inverter esse aspecto natural de nossa religião, e queira tirar da Umbanda essas suas características que a marcam profundamente em sua identidade. Tentam fazer uma substituição terminológica invertendo a Caridade pela Solidariedade e Resistência por Resignação.

Eu diria que essas intenções em substituir as terminologias não batem com a realidade da Umbanda.

Umbanda nas Trincheiras Etno-Históricas - Por: Alanna Souto


A umbanda é uma religião de resistência? Elaboro a pergunta após assistir o VÍDEO dos sacerdotes Rodrigo Queiroz e Alexandre Cumino que buscam refletir nessa live sobre o enunciado da expressão “a umbanda é a manifestação do espírito para a caridade” proferida por Zélio Fernandino de Morais, anunciador da umbanda enquanto religião, por meio do caboclo das 7 encruzilhadas, segundo informa vários testemunhos orais sobre está definição inicial ou de fundação do que se trata umbanda.

Mas a questão que levanto não é para debater propriamente a expressão acima que depois foi corrigida a partir das fontes revisitadas por Alexandre Cumino na sua obra “A história da umbanda- Uma religião brasileira” (2010), para “a umbanda é manifestação do espírito para a prática de caridade”. Aliás, o vídeo em questão dos sacerdotes da umbanda paulista levantam questões interessantes e reflexões bem pertinentes que ajudam, de fato, a pensar sobre a umbanda, de forma mais madura e menos “Alice, país das maravilhas”, onde o pensamento mágico perde-se na navalha dos delírios do fanatismo, sem conseguir sair da toca do coelho. E a grande sacada é a saída da toca ou da caverna.

18 de abr de 2017

Como manter contato com seu Mentor Espiritual

Decidi descrever nesta oportunidade alguns procedimentos que qualquer pessoa pode fazer para entrar em contato com o seu mentor espiritual, mas antes é preciso compreender o que é o nosso mentor, e qual a natureza de sua intervenção em nossa vida.

O mentor espiritual é um espírito protetor que foi designado pela espiritualidade superior para cuidar de nós, guiar nosso caminho, nos orientar e transmitir ideias e sugestões a fim de completarmos, da melhor forma possível, a nossa missão na Terra.

13 de abr de 2017

A Lenda de Xangô


Xangô era rei de Oyó, o mais temido e respeitado de todos os reis. Mesmo assim, um dia seu reino foi atacado por uma grande quantidade de guerreiros que invadiram a cidade violentamente, destruindo tudo e matando soldados e moradores numa tremenda fúria assassina. Xangô reagiu e lutou bravamente durante semanas. 

Um dia, porém, percebeu que a guerra tornara-se um caminho sem volta. Já havia perdido muitos soldados, e a única saída seria entregar sua coroa aos inimigos. Resolveu então procurar por Orunmilá e pedir-lhe um conselho para evitar a derrota quase certa. O adivinho mandou que ele subisse uma pedreira e lá aguardasse, pois receberia do céu a iluminação do que deveria ser feito. 

Xangô subiu e quando estava no ponto mais alto, foi tomado de extrema fúria. Pegando seu oxê, (machado de duas lâminas ), e começou a quebrar as pedras com grande violência. Estas ao serem quebradas, lançavam raios tão fortes que em instantes transformaram-se em enormes línguas de fogo que, espalhando-se pela cidade, mataram uma grande quantidade de guerreiros inimigos. Os que restaram, apavorados, procuraram os soldados de Xangô e renderam-se imediatamente pedindo clemência. Levados até ao rei, os presos elegeram um emissário para servir-lhes de porta voz. 

O homem escolhido foi logo se atirando aos pés de Xangô. Desculpou-se pedindo perdão. Humilhando-se, explicou que lutavam, não por vontade própria, e sim forçados por um monarca, vizinho de Oyó, que tinha um grande ódio de Xangô, e os martirizavam impiedosamente. Xangô, altamente perspicaz, enxergou nos olhos do guerreiro que ele falava a verdade e perdoou a todos, aceitando-os como súditos de seu reino.

Assim tornou-se conhecido como o Orixá justiceiro que perdoa quando defrontado com a verdade, mas que queima com seus raios os mentirosos e delinquentes.

Semana Santa; Morte e Ressurreição de Jesus


Para o Cristianismo, a  Semana Santa é a ocasião em que é celebrada a Paixão de Cristo, sua morte e ressurreição. Pelo que se tem conhecimento, a primeira celebração cristã da Semana Santa ocorreu no ano de 1682.

Foi por meio do Concílio de Niceia em 325d.c., advinda do Papa Silvestre I, onde os ensinamentos da doutrina católica tornam-na como religião oficial do Império Romano. 

O Concílio de Niceia determinava que a Semana Santa fosse constituída de oito dias.

Seu início se deu no Domingo de Ramos, através da entrada do Rei, do Messias, na cidade de Jerusalém, para comemorar a Páscoa Judaica. Na segunda-feira seguinte foi o dia em que Maria ungiu Cristo. Na terça-feira, foi o dia em que a figueira foi amaldiçoada. A quarta-feira é conhecida como o dia das trevas. A quinta-feira foi o dia da última ceia com seus apóstolos, mais conhecida como Sêder de Pessach. A sexta-feira foi o dia do seu sofrimento, sua crucificação. Sábado é conhecido como o dia da oração e do jejum, onde os cristãos choram pela morte de Jesus. E, finalmente, o Domingo de Páscoa, o dia em que ressuscitou e encheu a humanidade de esperança e  de vida eterna.


12 de abr de 2017

São Cipriano; História, Orações e Rituais


A lenda de São Cipriano - O Feiticeiro - confunde-se com um outro célebre Cipriano imortalizado na Igreja Católica, conhecido como Papa Africano. Apesar do abismo histórico que os afasta, as lendas combinam-se e os Ciprianos, muitas vezes, tornam-se um só na cultura popular. É comum encontrarmos fatos e características pessoais atribuídas equivocadamente. Além dos mesmos nomes, os mártires coexistiram, mas em regiões distintas.

11 de abr de 2017

3 ótimas Orações aos Marinheiros de Umbanda

Os Marinheiros de Umbanda são espíritos que trabalham no auxílio a encarnados e desencarnados a partir do seu magnetismo aquático e de seus conhecimentos sobre a manipulação do Mistério das Águas.

10 de abr de 2017

A Umbanda não se adapta ao umbandista; é o umbandista que se reforma com Ela


Numa sociedade como a nossa, que visa o dinheiro e os bens materiais como prioridades na vida social, temos de admitir que a religião também passa por um processo de materialização. Ou seja, as pessoas têm chegado a religião de um modo geral a enxergando como uma mercadoria. Uma mercadoria como qualquer outra, que possa trazer um custo benefício, que sacie um desejo, que traga um prazer, e por fim seja descartadado. Assim é o mundo das mercadorias, sejam elas vindas em produtos manufaturados ou serviços prestados.

Muita gente acha que a Umbanda é um serviço, é algo que pedimos e que vem pronto, que não requer nenhum apelo existencial da parte de quem acha que a pode comprar no balcão de uma loja ou aos pés de uma entidade.

5 de abr de 2017

O Livre Arbítrio - Por: Allan Kardec


A questão do livre-arbítrio pode resumir-se assim: O homem não é fatalmente conduzido ao mal; os atos que pratica não “estavam escritos”; os crimes que comete não são o resultado de um decreto do destino. Ele pode, como prova e como expiação, escolher uma existência em que se sentirá arrastado para o crime, seja pelo meio em que estiver situado, seja pelas circunstâncias supervenientes.

3 de abr de 2017

A História do Caboclo Mirim


Em 1920 no Rio de Janeiro, o médium Benjamin Gonçalves Figueiredo (26/12/1902 - 03/12/1986), teve a primeira manifestação de uma Entidade que identificou-se como Caboclo Mirim. Durante os primeiros anos de sua ligação com a Umbanda, Benjamin foi auxiliado no seu desenvolvimento pelo médium Zélio Fernandino de Morais. 

O Caboclo Mirim vinha com a finalidade de criar um novo núcleo de crescimento para a Umbanda e assim, toda a família do médium foi chamada a participar. Eram ao todo 12 pessoas que deram início em 1924 ao que foi chamada a Seara de Mirim. Após 18 anos, em 1942, foi fundada a Tenda Espírita Mirim, à rua Sotero dos Reis, 101, Praça da Bandeira; mudou-se, posteriormente, para a rua São Pedro e depois para a Rua Ceará, hoje Avenida Marechal Rondon nº 597. Ainda sob a orientação dessa entidade, deu-se a fundação do Primado de Umbanda, uma das primeiras federações umbandistas do Brasil, criada para difundir e estimular o estudo da religião de Umbanda e dos seus reais ensinamentos.

O Que é a Psicografia? Entenda...


A psicografia é a técnica utilizada pelos médiuns para que estes escrevam um texto sob a influência de um espírito desencarnado, utilizando para isso sua própria mão, o que deu origem à "psicografia direta" ou "psicografia manual". De todas as formas de comunicação, a escrita manual é a mais simples e a mais completa porque permite estabelecer relações permanentes e regulares com os espíritos.

Quando alguém escreve um texto psicografado a mente consciente busca as ideias no inconsciente, portanto, se está consciente o tempo inteiro. 

31 de mar de 2017

O Sacerdócio de Umbanda - Por: Anna Ponzetta


O Xamanismo é a expressão primeira da religiosidade do ser humano, é uma expressão natural a do Xamanismo primitivo. O Xamanismo mostra que a expressão do êxtase, do transe religioso, do estado alterado de consciência, vai muito além daquilo que classificamos e rotulamos como mediunidade.

O Xamã é alguém que se torna Xamã por dois caminhos, ele é um homem normal, comum, que passa a ter dificuldades emocionais, espirituais, ele vê coisas, ele sente coisas e muitas vezes ele fica até doente com doenças que não têm explicação, isso se conhece por doença Xamânica.

As "Oxuns" do mundo real: a Tradição das Mulheres na Umbanda


No início dos tempos, antes mesmo do mundo ser mundo, aconteceu no Orum (morada das divindades celestiais iorubás), uma rebelião dos deuses contra o deus supremo, Olorum. Tendo sua autoridade questionada e desafiada por seus próprios filhos, Olorum decretou que, a partir daquele momento, não iria cair mais nenhuma gota de chuva no Aiê (a terra, morada dos homens).

O Legado de Benjamin Figueiredo na Umbanda - Por: Sergio N. Teixeira


Introdução

Escrever sobre Benjamin Gonçalves Figueiredo não é apenas falar do homem e do médium, porque sua vida se mistura com a mensagem e com a obra de seu mentor espiritual, um dos mais importantes dirigentes espirituais da Umbanda: o magnífico Caboclo Mirim. Ambos serão para sempre um exemplo edificante de amor ao próximo e de luta pela dignidade do culto umbandista.

Em um momento histórico-cultural difícil para a Umbanda, Benjamin Figueiredo foi um dos principais expoentes no movimento pela evolução do culto e pelo reconhecimento das casas umbandistas junto às autoridades de seu tempo, estando lado a lado de alguns dos incansáveis guerreiros dos primeiros anos da nossa querida Umbanda, tais como: Zélio Fernandino de Moraes, Domingos dos Santos, João Carneiro de Almeida, José Álvares Pessoa, Manoel Nogueira Aranha, João de Freitas, Cavalcanti Bandeira, Cícero Bernardino de Melo, Narciso Cavalcanti, Félix Nascente Pinto, Jerônimo de Souza, Henrique Landi Júnior, Matta e Silva, Tancredo da Silva Pinto, Átila Nunes (pai), Omolubá, Flavio da Guiné, dentre outros.
Por toda uma vida voltada à unificação dos umbandistas, Benjamin Gonçalves Figueiredo deixou registrada em nossa memória as lembranças do incansável líder, do médium admirável de Caboclo Mirim e de Pai Roberto e do homem cuja integridade e ideais em muito superaram os seus dias, nos trazendo até os dias de hoje os ecos de uma bela mensagem de fé e de determinação em tirar a Umbanda da marginalidade a qual esteve relegada pela sociedade brasileira até meados do século passado.

29 de mar de 2017

"O Cantar das Folhas*; tradição que deve ser preservada na Umbanda - Por: Norberto Peixoto


Antigamente quando se macerava as folhas para as lavagens de cabeça ou para banhos mais diversos, tínhamos o hábito de cantar. Dependendo da folha era entoado um determinado cântico. Mesmo o ritual do amaci – lavagem de cabeça -, dito tradicional por conservar um método que se repete e se mantém inalterado no tempo, já não é tão idêntico como os do passado. Vivemos um tempo difícil, de “ausência” de tempo, rotina de correria e muita pressa. Impossível determinar-se com precisão, a época em que os médiuns umbandistas tinham mais tempo, inclusive para se reunirem calmamente e cantarem macerando as folhas litúrgicas.

Entendendo a Numerologia Pitagórica


Os números tão usados pelos céticos racionalistas adeptos das ciências exatas, para quem 1+1 é igual a 2, também possui o seu lado subjetivo e simbólico  e é uma ferramenta do auto conhecimento. Sendo assim tem um lado ciência, já que tem uma metodologia sistemática na sua aplicação, para desvendar, revelar um significado interno de um resultado onde existe uma vibração e sintonia, pelo fato de um nome, letra, número ter um valor vibracional, que leva a uma tendência energética. Neste caso, uma palavra VIBRA, de acordo com um número numa escala de 1 até 9 e um número possui um valor VIBRACIONAL.

Os Fundamentos do Congá


O Congá é o mais potente aglutinador de forças dentro do terreiro: é atrator, condensador, escoador, expansor, transformador e alimentador dos mais diferentes tipos de energias e magnetismo. Existe um processo de constante renovação de axé que emana do congá, como núcleo centralizador de todo o trabalho na umbanda.

28 de mar de 2017

3 Poderosas Orações para Yemanjá

Acompanhe abaixo 3 gloriosas orações a Yemanjá, a Rainha do mar e um ritual para fazer em casa:

Emoções negativas geram dores crônicas no corpo


Emoções negativas devem ser evitadas, com isso praticamente todos concordam. O que muitos ainda não perceberam é que somos seres completos e tudo o que nos compõe – corpo, mente e espírito – é ligado de tal forma que a deficiência de um pode afetar os demais.

Um grande exemplo disso é a conclusão da doutora em psicologia Susanne Babbel.  Depois de um minucioso estudo, a especialista concluiu que boa parte das dores crônicas que sentimos não tem nada a ver com doenças graves ou lesões anteriores. São as emoções negativas as causadoras!

O Efeito Sombra - Por: Ravena


A sombra é um termo utilizado na psicologia para definir nosso lado oculto, nossos defeitos, nossos medos, complexos, aquilo que acreditamos ser feio e escondemos dos outros. É aquilo que não queremos ver, o lado negro, uma energia que nos prejudica, sentimos a sombra como uma parte negativa da nossa personalidade.

São aspectos de nós mesmos que tentamos a todo custo negar, esconder e este não é o melhor caminho, esconder a sombra é o mesmo que deixá-la na escuridão, quando o que nos ajudará, será trazê-la para a luz, ou seja, ter consciência do nosso lado negro, de nossas sombras, pois só assim poderemos crescer.

8 de mar de 2017

História do Movimento Umbandista - Por: F. Rivas Neto

Por: F. Rivas Neto

O Movimento Umbandista surgiu no final do século XIX, utilizando-se como cenário os cultos miscigenados de negros, índios e brancos, conhecidos como macumbas, candomblés, catimbós, torés, xambás, babassuês, xangôs, etc. Nesse contexto, começaram a se manifestar entidades espirituais, através da incorporação, nas formas de índios (Caboclos) e de Pais-Velhos trazendo as mensagens dos espíritos ancestrais desses povos. O processo do sincretismo facilitou a inclusão da cultura católica pela assimilação dos santos com as divinidades do panteão africano e ameríndio. Logo apareceriam também as entidades que se apresentavam como Crianças, completando o ternário de manifestação mediúnica que serviria de base para a sustentação da doutrina umbandista. 

7 de mar de 2017

Como foi que nos transformamos em vitrines?


Por: Paulo Ghiraldelli

Há algo errado com quem não tem seu Facebook ou, no mínimo, seu Twitter. Afinal, o que se está querendo esconder ao desaparecer das redes sociais? Que tipo de doença tem essa pessoa que ousa querer preservar sua privacidade num mundo em que todos os prêmios estão voltados para a mulher-vitrine e para o homem-vitrine? É isso mesmo: vivemos a era de desconfiança não mais em relação a quem escancara gostos íntimos e vida privada. Ao contrário, estranhamos quem não queira se comportar como artista de novela ou jogador de futebol, sempre cativos da necessidade de estarem nas revistas de fofocas. Holofotinhos para nós todos.

1 de fev de 2017

Sincretismo; A manifestação do "inconsciente coletivo" na Umbanda - Por: Fernando Ribeiro











Por: Fernando Ribeiro (Pirro D'Obá)

É comum vermos irmãos que são contra o sincretismo entre Orixás e divindades de outros tipos de religiosidade. Muitos afirmam que se a raíz são os Orixás, então não devemos sincretizá-los com Santos católicos, ou signos do zodíaco, ou deuses gregos, romanos e egípcios, ou até com entidades e deuses de outras civilizações xamânicas.

É compreensível que se busque uma unicidade de culto na religião, que se busque uma concreticidade linear dentro da “cosmovisão” que a Umbanda tem a respeito do mundo. Porém antes de tudo. Pergunto: O que mais se faz reluzente na Umbanda, não seria seu próprio caráter universalista? 

A História de Santa Ana; a mãe de Nossa Senhora e avó de Jesus


Santa Ana ou Sant'Ana é a mãe de Nossa Senhora e avó de Jesus. Sobre ela, porém, há poucos dados biográficos. As referências que chegaram até nós sobre os pais de Maria foram deixadas pelo Proto-Evangelho de Tiago, um livro escrito provavelmente no primeiro Século e que não faz parte dos Evangelhos Canônicos, ou seja, aqueles reconhecidos pela Igreja como oficiais. Porém, o Evangelho de Tiago é uma obra importante da antiguidade e citada em diversos escritos dos padres da Igreja Oriental, como Epifânio e Gregório de Nissa.

31 de jan de 2017

Dialética - Por: Fernando Ribeiro


A palavra dialética surgiu na Grécia antiga fundamentada como um “modus” de argumentação capaz de contrapor diferentes linhas de abordagens e assim dar à luz a uma nova ideia. Aos poucos, passou a ser a arte de demonstrar um tema por meio de uma argumentação que defina claramente os conceitos envolvidos na discussão.

A palavra “dialética” vem do grego. O prefixo “dia” dá idéia de reciprocidade ou de troca: dialegein é trocar palavras ou razões, conversar ou discutir...Daí o substantivo dialectike, a arte da discussão.

27 de jan de 2017

Estudo comprova que religiosidade na infância pode afastar jovens das drogas


Uma pesquisa recente desenvolvida por pesquisadores de diferentes universidades norte-americanas constatou que frequentar atividades religiosas desde a infância é um dos hábitos mais eficazes para evitar o uso de drogas ou abuso de álcool na adolescência e juventude.

26 de jan de 2017

Encontrando seu Animal de Poder


Como escolhemos o nosso Animal de Poder? Primeiramente, não somos nós que escolhemos o nosso animal, e sim eles que nos escolhem e estabelecem uma ligação conosco. Os xamãs costumam encontrar seu animal de poder, através da dança ou uma visão.

Vocês devem estar perguntando, mas como manter contato com o meu animal? O que se segue agora é uma jornada xamânica verdadeiramente simples.

Animal de Poder - Uma força que reside em nós


O psicanalista e teórico suíço Carl Gustav Jung, em suas obras, trata de um tema que nomeou de inconsciente coletivo: morada das memórias mais remotas da humanidade como um todo, incluindo memórias representadas por símbolos e imagens que recebem o nome de arquétipos. Animal de Poder é um destes arquétipos.

21 de jan de 2017

Umbanda; de Pai de pra Filho


É no exemplo, no santo ritual de cada dia que nossa raiz vai se ramificando, criando galhos, novos frutos..

Da nossa raíz esperamos que a sabedoria possa auxiliar o conhecimento e gerar no outro uma melhor proximidade com o que lhe toca.

Que nossos filhos possam escolher seus próprios caminhos, que possam fazer suas escolhas, exercer seu livre arbítrio; mas que não deixem de entender nunca o valor que tem o seu pai, sua mãe e seus avós. Que possam mesmo em outros chãos honrar seus ancestrais...

Que possam sempre entender o valor de uma vida, o valor da natureza, o valor da fé... que de pai pra filho possam sentir e saber o que é Axé ❤

20 de jan de 2017

Oração ao Orixá Oxóssi


Meu pai Oxóssi! Vós que recebestes de Oxalá o domínio das matas, de onde tiramos o oxigênio necessário á manutenção de nossas vidas durante a passagem terrena, inundai os nossos organismos coma vossas energia, para curar de nossos males!

Vós que sois o protetor dos caboclos, dai-lhes a vossa força, para que possam nos transmitir toda a pujança, a coragem necessária para suportarmos as dificuldades a serem superadas!Dai-nos paz de espírito, a sabedoria para que possamos compreender a perdoar aqueles que procuram nossos Centros, nosso guias, nossos protetores, apenas por simples curiosidade, sem trazerem dentro de si um mínimo da fé.

Dai-nos paciência para suportarmos aqueles que se julgam os únicos com problemas e desejam merecer das entidades todo o tempo e atenção possível, esquecendo-se de outros irmãos mais necessitados!

Dai-nos tranqüilidade para superarmos todas as ingratidões, todas as calúnias!

Dai-nos coragem para transmitir uma palavra de alento e conforto aqueles que sofrem de enfermidades para quais, na matéria, não há cura!

Dai-nos força para repelir aqueles que desejam vinganças e querem a todo custo magoar seus semelhantes!

Oke Arô Oxóssi!

17 de jan de 2017

Noite Escura; Os desafios da fé em meio as adversidades - Por: Sid Soares


Lendo “A noite escura da alma” um presente que me foi dado por um professor que reencontrei, me pus a pensar nas noites escuras que enfrentamos em nossa caminhada terrena.

São João da Cruz era um religioso muito transparente, humano em sua essência e deixou isso claro quando escreveu o livro expondo suas dúvidas em relação a fé e chegou a dizer que Deus por vezes era para ele inacessível. Assim como ele, Madre Teresa de Calcutá também disse ter desejo de rasgar o hábito em seus questionamentos à Deus, quando buscava uma vida mais próxima dos que sofriam, distante dos templos de concreto.

Homem que incendiou Terreiro de Umbanda pega 4 anos de prisão


A Justiça condenou o homem que em setembro de 2016 destruiu o Templo Religioso Hermínio Marques, no distrito de Bueno de Andrada, em Araraquara (SP). Maurício Aparecido Silvério foi condenado a 4 anos de reclusão pelo incêndio criminoso e a 3 meses de detenção por ameaçar uma das mulheres que trabalhavam no local. A pena poderá ser cumprida no regime semiaberto e o acusado poderá aguardar o recurso em liberdade. Procurado pelo G1, o advogado de defesa dele não foi localizado.

Mais de 60 imagens foram quebradas no ataque, e o incêndio destruiu o que restava do prédio onde eram realizadas cerimônias da Umbanda e do Candomblé. Segundo a decisão da juíza Josiane Patricia Cabrini, da 3ª Vara Criminal, a materialidade e autoria dos delitos foi comprovada com laudo e depoimentos.

12 de jan de 2017

Oração poderosa de São Jorge (Ogum) para abertura de caminhos


Também chamado de Ogum pelos adeptos do Candomblé e da Umbanda, devido ao Sincrestismo religioso que existiu na história do Brasil, São Jorge é poderoso, e diversas são as orações oferecidas a ele. Seja para proteção, para abrir caminhos, para o amor ou para conseguir um emprego. Seu poder é baseado na fé e, se a devoção e a energia é verdadeira, seu pedido irá se realizar. Lembre-se que uma oração poderosa de São Jorge jamais deverá ser proferida para o mal. Se isso ocorrer, ele deixará sua espada se abater sobre quem foi injusto.

Se está sentindo que há tempos sua vida não deslancha, não toma os rumos certos nem obtém sucesso em nenhum campo, é hora de reunir suas energias, refletir sobre a sua atual situação e orar, com muita fé esta oração poderosa para que São Jorge lhe abra os caminhos, para melhor entender sua situação, escolher a melhor decisão e enxergar as coisas por novas perspectivas. Acima de tudo, orar para São Jorge e ir de encontro ao auto conhecimento. Confira a oração abaixo:

“Ó meu São Jorge, meu Santo Guerreiro e protetor, invencível na fé em Deus, que por ele sacrificou-se, traga em vosso rosto a esperança e abre os meus caminhos. Com sua couraça, sua espada e seu escudo, que representam a fé, a esperança e a caridade.
Eu andarei vestido, para que meus inimigos tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me enxerguem e nem pensamentos possam ter, para me fazerem mal. Armas de fogo ao meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrarão sem ao meu corpo chegar. Cordas e correntes se arrebentarão sem o meu corpo tocar. Ó Glorioso nobre cavaleiro da cruz vermelha, vós que com a sua lança em punho derrotaste o dragão do mal, derrote também todos os problemas que por ora estou passando
Ó Glorioso São Jorge, em nome de Deus e de Nosso Senhor Jesus Cristo, estendei-me seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a vossa força e grandeza dos meus inimigos carnais e espirituais.
Ó Glorioso São Jorge, ajudai-me a superar todo o desânimo e a alcançar a graça que agora vos peço
(Faça o seu pedido)
Ó Glorioso São Jorge, neste momento tão difícil da minha vida, eu te suplico para que o meu pedido seja atendido e que com a sua espada, a sua força e o seu poder de defesa eu possa cortar todo o mal que se encontra em meu caminho.
Ó Glorioso São Jorge, dai-me coragem e esperança, fortalecei minha fé, meu ânimo de vida e auxiliai-me em meu pedido.
Ó Glorioso São Jorge, traga a paz, amor e a harmonia ao meu coração, ao meu lar e a todos que estão em minha volta.
Ó Glorioso São Jorge, pela fé que em vós deposito, guiai-me, defendei-me e protegei-me de todo o mal. Amém.”

10 de jan de 2017

Bebidas e Cigarros na Umbanda


O fumo (tabaco) é considerado uma “Erva de Poder”, usada há milênios pelos povos indígenas, considerado sagrado com larga utilização em seus trabalhos de Cura, Pajelança e Xamanismo.

Tudo que é sagrado traz o Divino e as virtudes para nossas vidas; sempre que profanamos algo sagrado atraímos a dor e o vício. Assim, o mesmo tabaco que cura em seu aspecto sagrado também vicia e traz a dor quando utilizado de forma profana. Industrializado no formato de cigarro, o fumo traz além da nicotina mais outros 4.250 agentes tóxicos, prejudiciais à saúde, sendo causadores de várias doenças, entre elas o câncer. Resultado do uso profano…

Enredo da Imperatriz Leopoldinense gera revolta em setores do Agronegócio


O samba enredo da escola “Imperatriz Leopoldinense”, que neste Carnaval tem como tema “Xingu – O clamor que vem da Floresta”, gerou revolta no setor do agronegócio mato-grossense e brasileiro. A música faz uma crítica contundente aos donos de terra: “O belo monstro rouba as terras dos seus filhos, devora as matas e seca os rios, tanta riqueza que a cobiça destruiu, Sou o filho esquecido do mundo, minha cor é vermelha de dor, o meu canto é bravo e forte, mas é hino de paz e amor”.

O samba enredo, de composição de Moisés Santiago, Adriano Ganso, Jorge do Finge e Aldir Senna, recebeu nota da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu, assinada pelo presidente da entidade, Arnaldo Manuel Machado Borges. No texto, Arnaldo afirma de forma exagerada que “Antes de mais nada, é preciso esclarecer e reforçar que o país do samba é sustentado pela pecuária e pela agricultura”.

A Associação Brasileira dos Criadores de Zebu afirma ainda ser “Inaceitável que a maior festa popular brasileira, que tem a admiração e o respeito da nossa classe, seja palco para um show de sensacionalismo e ataques infundados pela Escola Imperatriz Leopoldinense”.

Confira o samba enredo escola Imperatriz Leopoldinense – “Xingu – O clamor que vem da floresta”:


Brilhou… a coroa na luz do luar!
Nos troncos a eternidade… a reza e a magia do pajé!
Na aldeia com flautas e maracás
kuarup é festa, louvor em rituais
na floresta… harmonia, a vida a brotar
sinfonia de cores e cantos no ar
o paraíso fez aqui o seu lugar
jardim sagrado o caraíba descobriu
sangra o coração do meu brasil
o belo monstro rouba as terras dos seus filhos
devora as matas e seca os rios
tanta riqueza que a cobiça destruiu
Sou o filho esquecido do mundo
minha cor é vermelha de dor
o meu canto é bravo e forte
mas é hino de paz e amor

Sou guerreiro imortal derradeiro
deste chão o senhor verdadeiro
semente eu sou a primeira
da pura alma brasileira

Jamais se curvar, lutar e aprender
escuta menino, Raoni ensinou
liberdade é o nosso destino
memória sagrada, razão de viver
andar onde ninguém andou
chegar aonde ninguém chegou

lembrar a coragem e o amor dos irmãos
e outros heróis guardiões
aventuras de fé e paixão
o sonho de integrar uma nação
kararaô… kararaô… o índio luta pela sua terra
da imperatriz vem o seu grito de guerra!

Salve o verde do xingu… a esperança
a semente do amanhã… herança
o clamor da natureza
a nossa voz vai ecoar… preservar!


Fonte. revistaforum.com.br/

4 de jan de 2017

A sua Religião está pronta para lidar com Alienígenas?

Como a humanidade reagirá quando astrônomos encontrarem evidências sólidas da existência de vida além da Terra? Sem especulação. Sem dúvidas. O momento em que os cientistas anunciarem essa descoberta, tudo mudará. No mínimo, nossas filosofias e religiões precisarão incorporar essa nova informação. Até o momento astrônomos identificaram milhares de planetas na órbita de suas estrelas. Nesse ritmo de descoberta, milhões de outros serão descobertos ainda nesse século. 

2 de jan de 2017

Orixás e suas Lendas


Toda lenda é uma narrativa de caráter mágico em que um fato histórico se amplifica e se transforma sob o efeito da evocação poética ou da imaginação popular. É transmitida oralmente pelas pessoas de um determinado grupo social, um povo, ou uma sociedade, visando explicar coisa do mundo e do universo misturando fatos reais, imaginários ou fantasiosos.

Conforme vão se popularizando, as lendas tendem a ser reproduzidas e registradas em forma de contos e histórias escritas, principalmente em livros. Etimologicamente, a palavra lenda vem do latim medieval que quer dizer “aquilo que deve ser lido”.

As lendas tentam fornecer explicações para todos os acontecimentos e situações, inclusive para coisas que não apresentam explicação científica comprovada, como por exemplo os supostos fenômenos sobrenaturais. A lenda pode ser explicada como uma degeneração do mito, porque como são repassadas oralmente de geração a geração, e com o passar do tempo sendo alteradas. Como diz o ditado popular: “quem conta um conto, aumenta um ponto”.

Devemos levar em conta que uma lenda não significa uma mentira, nem tão pouco uma verdade absoluta.. 

Veja abaixo lendas de alguns Orixás cultuados no Brasil:


fonte. casadeoxala.eti.br